Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
bienal do livro

FNDE debate uso de tecnologias nas escolas na Bienal do Livro

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Segunda, 04 Setembro 2017 08:54
FNDE debate uso de tecnologias nas escolas na Bienal do Livro

Professores do Instituto Federal do Piauí e do Ceará foram os convidados neste primeiro fim de semana do evento

O papel da tecnologia na educação foi o tema debatido no estande do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) durante o primeiro fim de semana da XVIII Bienal Internacional do Livro no Rio, nos dias 2 e 3 de setembro. Educadores e estudantes acompanharam, atentos, as palestras de Francisco Marcelino e Igor Paim, professores do Instituto Federal do Piauí e do Ceará, respectivamente. Já a criançada se esbaldou com as histórias contadas por Leda dal Magro, servidora do FNDE e integrante da Associação Viva e Deixe Viver, responsável por levar alegria a pacientes hospitalizados em várias cidades do país.

Mestre em Biotecnologia e coordenador do grupo de pesquisa em Automação, Robótica e Sistemas Inteligentes – Labiras (em inglês, Laboratory of Intelligent Robotics, Automation and Systems), Marcelino exibiu resultados do projeto “Robótica Formando Cidadãos”, que oferece aulas gratuitas de matemática, física, inglês e programação a estudantes da rede pública piauiense como preparação para a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). “Muitos destes jovens chegam ao projeto com baixa autoestima. As medalhas são um incentivo, mas nosso foco principal é ensiná-los a pensar, pesquisar, resolver problemas em grupo visando o bem-estar social”, afirma.

No rastro desta filosofia, diversas iniciativas do grupo ganham destaque, como o uso da realidade virtual para tratamento de fobias (óculos 3D que simula situações específicas), a bengala eletrônica dotada de sensor que emite um toque sonoro ou vibração ao detectar um obstáculo próximo e a ferramenta de jogos ligada a projetos de arquitetura. “Quando vai para o ensino superior, este estudante mostra-se ativo, prático, com outra mentalidade”, orgulha-se Marcelino. Outro motivo de satisfação é o desenvolvimento do game Crown Brawl, finalista da etapa nacional da Imagine Cup deste ano, competição de tecnologia promovida pela Microsoft com estudantes de todo o mundo. “Ficamos em oitavo lugar entre mais de duzentas equipes, o que abriu uma oportunidade mercadológica para os alunos”.

Aliado - “O celular é uma porta para o mundo. Ele pulveriza as paredes da escola”, enfatiza Igor Paim, doutor em Educação e coordenador do grupo de estudo Bioética, Biodireito e Ambiente, da Universidade Federal do Ceará. Para ele, não há mais como proibir o uso do aparelho em sala de aula. A solução é torná-lo um aliado. “Não adianta mais ser um ‘professauro’. A meninada precisa de instrumentos que sejam engajadores”, reforça.

Sua experiência de três meses na Finlândia para estudar o sistema educacional daquele país, por meio do programa Teachers for the Future (financiado pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação), fez com que elencasse algumas características marcantes observadas: aprendizagem centrada no estudante, com a customização das práticas educativas; emprego de metodologias ativas de aprendizagem, que estimulam a autonomia do aluno, como brainstorming, aprendizagem baseada em projetos storytelling, entre outras; incentivo ao empreendedorismo; emprego de tecnologias digitais gratuitas em sua maioria, como Kahoot, Trello, Edpuzzle, Socrative, Thinglink e inúmeras outras. “Costumo dizer que as metodologias ativas são a alma do ensino e as tecnologias digitais, o corpo. Devem ser aplicadas juntas em sala de aula”, afirma Paim.

Nesta segunda-feira, 4, o professor Helton Sereno, do Instituto Federal de Volta Redonda/RJ, vai apresentar os robôs humanoides NAO. A demonstração ocorrerá das 16h às 20h. Acesse aqui a programação completa.

Estande - Com mais de 300 metros quadrados, o estande do FNDE está localizado no pavilhão 4 (verde) e apresenta livros de programas do governo federal, como o Programa Nacional do Livro e Material Didático, o Programa Nacional Biblioteca da Escola e o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Os visitantes podem ainda ouvir histórias e interagir com autores e palestrantes convidados.

Serviço:

XVIII Bienal Internacional do Livro no Rio

Período: 31 de Agosto a 10 de setembro de 2017

Horários de funcionamento:

7 de setembro (feriado): 10h às 22h

Durante a semana: 9h às 22h

Finais de semana: 10h às 22h

Local do evento:

Riocentro - Av. Salvador Allende, 6555 - Rio de Janeiro

Fim do conteúdo da página