Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
2009

Brasil deve apoiar alimentação escolar no Burundi

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Terça, 25 Agosto 2009 00:00

ASCOM-FNDE (Brasília) – Situada na África Central, a República do Burundi deve receber o apoio técnico do Brasil para criar um programa próprio de alimentação escolar. Em visita ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), nesta terça-feira, 25, o ministro das Relações Exteriores da nação africana, Augustin Nsanze, solicitou o auxílio do FNDE para melhorar a alimentação em suas escolas. “Queremos aproveitar a experiência brasileira”, afirmou o chanceler, aos conhecer os principais aspectos do programa brasileiro.

“É importante que o governo do Burundi oficialize essa solicitação para que possamos desenvolver projetos em conjunto, de acordo com as necessidades e interesses do país”, diz o presidente do FNDE, Daniel Balaban. “Queremos fazer esse intercâmbio e ajudá-los a construir seu programa de alimentação escolar.”

Segundo o presidente da autarquia, o primeiro passo é conhecer a realidade do país africano – número de alunos, estrutura das escolas, agricultura, economia etc. – para, então, delinear um programa mais adequado à realidade local. A cooperação técnica também abarca a construção de uma legislação para o programa, a formação de agentes envolvidos na sua execução e a capacitação de agricultores, que serão a fonte dos alimentos das crianças no ambiente escolar.

“Esse auxílio aos agricultores faz parte do acordo, com o envio de especialistas para disseminar técnicas modernas de agricultura e otimizar o aproveitamento do solo”, afirma Balaban. “As técnicas utilizadas por nossos agricultores são centenárias”, conta o chanceler.

Cooperação – Treze nações recebem apoio do Brasil para criar ou fortalecer seus programas de alimentação escolar: Cabo Verde, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissao, Timor Leste, Suriname, Palestina, Bolívia, Colômbia, Haiti, Nicarágua, Guatemala e El Salvador. O programa brasileiro tem sido apontado por organismos internacionais, como a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e o Programa Mundial de Alimentos, como exemplo a ser seguido por outros países.

Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página