Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
2014

Rio Grande do Norte foca na agricultura familiar

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Quarta, 25 Junho 2014 16:45
Rio Grande do Norte foca na agricultura familiar Ascom/FNDE

O Estado do Rio Grande do Norte conseguiu ultrapassar em 2013 a marca de 30% dos recursos da alimentação escolar usados para aquisição de produtos da agricultura familiar. Foram 32%, segundo informações do governo do Estado. A meta, porém, é chegar a 70%.

Para isso, o governo desenvolve, com apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), pesquisas para mapear a aptidão agrícola dos solos da região e a oferta existente de produtos da agricultura familiar. “Os agricultores não conhecem a lei. Estamos tentando dar condições para que eles possam entregar para a alimentação escolar”, conta a chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado, Yragaucy Araújo, referindo-se à Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. O texto garante que, no mínimo, 30% dos repasses do FNDE sejam investidos na aquisição de produtos da agricultura familiar.

Hortaliças, frutas, carne de bode e de ovelha estão entre os produtos entregues por agricultores familiares às escolas, segundo Maria Luíza de Sousa Maia, uma das dez nutricionistas da Secretaria da Educação do Estado. Segundo ela, a maior dificuldade para a ampliação das aquisições da agricultura familiar é o enquadramento dos produtores nas exigências sanitárias.

O foco na aquisição de produtos da agricultura familiar é parte de um esforço do governo do Estado para melhorar a alimentação escolar oferecida aos alunos da rede pública. Esse trabalho inclui a contratação de nutricionistas e de estudantes de nutrição, que atuam diretamente nas escolas, acompanhando o preparo das refeições e a aceitabilidade dos cardápios.

Também foi elaborada uma cartilha de alimentação saudável e foram realizadas mais de 400 entrevistas com alunos, pais, professores, diretores e equipe pedagógica, para avaliar a prestação do serviço. Mais merendeiras foram contratadas e capacitadas. “Hoje, atuamos como preconiza o FNDE e melhoramos a segurança alimentar nas escolas”, avalia Maria Luíza.

De acordo com a responsável técnica pela alimentação escolar no estado, Watsana Kleiba de Oliveira Franklin, a regionalização da gestão da merenda também foi importante para garantir os avanços. “O Estado conta hoje com oito diretorias regionais, oito polos, com pelo menos uma nutricionista em cada um deles. Esta equipe orienta o trabalho e faz o monitoramento”, conta.

A equipe conseguiu, ainda, estabelecer cardápios para alunos com necessidades específicas ou intolerâncias, de acordo com a nutricionista Sankya Silva Saraiva.“Temos cardápios específicos para aqueles que têm colesterol alto, diabetes, intolerância a glúten”, diz.

A diretora da escola Clara Camarão, em Natal, Rosângela Maria de Lima Filgueira, é testemunha das melhorias registradas na alimentação escolar no estado. “Com recursos repassados pelo Programa Dinheiro Direto na Escola, adquirimos balcão térmico, louça de vidro, talheres em aço inoxidável”, conta. “Agora, com as aquisições da agricultura familiar, a alimentação ficou ainda mais saudável, mais nutritiva”, diz.

A escola tem 868 alunos do primeiro ao quinto ano, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA). “Os programas executados pelo FNDE melhoraram consideravelmente as condições de ensino. Esta escola não tinha nada. Hoje é uma das mais equipadas. Tudo o que o professor precisa ele tem. Temos aparelhos multimídia, Datashow, todas as salas têm aparelho de som, tudo com recursos do FNDE”, conta a diretora.

Confira outras histórias nos links abaixo.

Fim do conteúdo da página