Ir direto para menu de acessibilidade.

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página

Resolução/CD/FNDE nº 19, de 24 de abril de 2004

Estabelece os critérios e o procedimento de transferência de recursos financeiros do Programa Brasil Alfabetizado aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios.

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:
Constituição Federal –art. 208;
Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993;
Lei nº 9.394, de 20 de dezembro 1996;
Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000;
Lei nº 10.172, de 10 de janeiro de 2001;
Medida Provisória nº 173, de 16 de março de 2004.

O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO – FNDE, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo art. 12, do anexo I do Decreto nº 4.626, de 21 de março de 2003 e os artigos 3º, 5º e 6º do Regimento Interno/CD/FNDE, aprovado pela Resolução CD/FNDE nº 31, de 30 de setembro de 2003, e

CONSIDERANDO que a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 208, estendeu o direito ao ensino fundamental aos cidadãos de todas as faixas etárias;

CONSIDERANDO que a Lei nº 10.172 de 2001, que institui o Plano Nacional de Educação, determina a universalização da alfabetização em uma década;

CONSIDERANDO a necessidade de ampliar as oportunidades educacionais para aqueles que já ultrapassaram a idade de escolarização regular;

CONSIDERANDO a necessidade de promover ações políticas de inclusão social, por meio de ações distributivas da União;

CONSIDERANDO a relevância de estimular ações redistributivas e de inclusão, para correção progressiva das disparidades de acesso e garantia de padrão de qualidade da alfabetização de jovens e adultos, por meio da implantação de programa específico de alfabetização em todo o território nacional;

CONSIDERANDO as diversidades regionais e culturais do país, que implica em flexibilizar procedimentos para o alcance das metas; e,

CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas e diretrizes para credenciamento de ações dos entes federados no âmbito do Programa Brasil Alfabetizado.

RESOLVE, “AD REFERENDUM”

Art. 1º Aprovar, para o exercício de 2004, os critérios e os procedimentos de transferência de recursos financeiros aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios, objetivando a execução descentralizada das ações do Programa Brasil Alfabetizado.

I - DOS OBJETIVOS E DOS BENEFICIÁRIOS

Art. 2º O programa consiste na transferência de recursos financeiros em favor dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, destinados à Formação de Alfabetizadores e Alfabetização de Jovens e Adultos, que atendam, em especial as ações:

  1. articuladas ou integradas com outros segmentos sociais para o mesmo público alvo, especialmente iniciativas de educação de Jovens e Adultos;
  2. em municípios com taxa de analfabetismo igual ou maior que 20% da população com 15 anos ou mais, conforme dados do censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE;
  3. em municípios de região metropolitana com número absoluto de população analfabeta igual ou superior a trinta mil habitantes, conforme dados do IBGE; e,
  4. que incluam segmentos sociais específicos como:
    1. populações indígenas, bilíngües, fronteiriças ou não;
    2. populações do campo e remanescentes de quilombos;
    3. pessoas com deficiência auditiva (DA) e/ou visual (DV);
    4. pessoas com necessidades educativas especiais associadas à deficiência.

Art. 3º Serão beneficiários do programa os estados, o Distrito Federal e os municípios que apresentarem à Secretaria Extraordinária de Erradicação do Analfabetismo – SEEA do Ministério da Educação - MEC, ou à Secretaria que a suceder, até 21 de maio de 2004, todas as informações na forma definida nos anexos I e II desta Resolução, em especial:

  1. os indicadores de analfabetismo do censo 2000 (IBGE) e os dados de matrícula do primeiro segmento (1ª a 4ª séries) de Educação de Jovens e Adultos do Censo Escolar do ano anterior;
  2. a proporcionalidade do número de alfabetizadores, turmas e alfabetizandos; e,
  3. a carga horária para Formação de Alfabetizadores e de Alfabetização de Jovens e Adultos conforme as diretrizes de caracterização das ações enunciadas nesta Resolução.

II – DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA

Art. 4º São órgãos e entidades do Programa:

  1. o Ministério da Educação - MEC – órgão responsável por formular políticas para a Erradicação do Analfabetismo, estimulando a implementação das ações de Formação de Alfabetizadores e de Alfabetização de Jovens e Adultos;
  2. o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE – entidade responsável pela assistência financeira, normatização, coordenação, monitoramento, fiscalização, cooperação técnica e avaliação da aplicação dos recursos, diretamente ou por delegação;
  3. o Órgão Executor - OEx – o estado, o Distrito Federal ou o município, responsável pelo recebimento e execução dos recursos financeiros, transferidos pelo FNDE, à conta do Programa; e,
  4. a Comissão Nacional de Alfabetização - órgão responsável pelo acompanhamento da execução e pela fiscalização nos moldes do art. 19 desta Resolução e do art. 9º da Medida Provisória nº 173, de 16/03/2004.

III – DA ASSISTÊNCIA FINANCEIRA

Art. 5º A transferência de recursos financeiros, objetivando a execução descentralizada do Programa, será feita, automaticamente, sem necessidade de convênio, ajuste, acordo, contrato ou instrumento congênere aberta pelo FNDE e ficará limitada ao previsto no art. 6º desta Resolução.

§ 1º Os recursos financeiros de que trata o caput deste artigo serão creditados e mantidos, até sua destinação final, em conta-corrente específica, a ser aberta pelo FNDE, e sua utilização estará restrita ao pagamento de despesas admitidas pelo Programa, definidas no art. 9º e 10 desta Resolução, mediante cheque nominativo ao credor ou ordem bancária.

§ 2º A aplicação dos recursos financeiros deverá ser feita, obrigatoriamente, em caderneta de poupança, quando a previsão do uso for igual ou superior a 01 (um) mês.

§ 3º Quando a utilização dos recursos financeiros estiver prevista para prazos inferiores a 01 (um) mês, os recursos disponíveis deverão ser, obrigatoriamente, aplicados em fundo de aplicação financeira de curto prazo, ou operação de mercado aberto, lastreada em título de dívida pública federal, caso seja mais rentável.

§ 4º As aplicações financeiras, de que tratam os §§ 2º e 3º deste artigo, deverão ocorrer na mesma instituição bancária em que os recursos financeiros do Programa foram creditados, pelo FNDE, devendo as receitas obtidas, em função das aplicações efetuadas, ser, obrigatoriamente, computadas a crédito na conta específica da transferência e utilizadas, exclusivamente, em sua finalidade, na forma definida nos art. 8º e 9º desta Resolução.

§ 5º As operações a que se refere o parágrafo anterior devem ser registradas nos documentos e demonstrativos que integrarão a prestação de contas.

§ 6º O saldo dos recursos financeiros recebidos à conta do Programa e não utilizados até a data do término da execução das ações será restitutído ao FNDE, por meio de depósito na conta n.º 170500-8, Banco do Brasil, Agência do Ministério da Fazenda, código 4201-3, indicando no campo favorecido do formulário: “FNDE – 15317315253040-6”, e no campo do segundo código identificador, a inscrição no CNPJ/MF correspondente ao depositante.

Art. 6º A assistência financeira de que trata esta Resolução fica limitada ao montante consignado na Lei Orçamentária Anual para esse fim, acrescida das suplementações, quando autorizadas.

Art. 7º Serão transferidos, a título de assistência financeira, recursos para execução das ações de “Formação de Alfabetizadores” e de “Alfabetização de Jovens e Adultos” calculados da seguinte forma:

  1. para ação de “Formação de Alfabetizadores”, serão transferidos R$ 40,00 (quarenta reais) por alfabetizador, acrescidos de R$ 10,00 (dez reais) por alfabetizador / mês, limitado a R$ 120,00 (cento e vinte reais), relativos às formações inicial e contínua;
  2. os alfabetizadores de turmas comuns de alfabetização que promoverem a inclusão escolar social de jovens e adultos com deficiência visual ou auditiva, receberão um adicional no valor de R$ 30,00 (trinta reais), sobre o valor fixo de R$ 120,00 (cento e vinte reais), previsto no inciso anterior; e
  3. para ação de “Alfabetização de jovens e adultos”, serão transferidos R$ 120,00 (cento e vinte reais) mensais por turma, acrescidos de R$ 7,00 (sete reais) mensais por aluno a ser alfabetizado, limitado a um total de R$ 2.360,00 (dois mil, trezentos e sessenta reais) por turma / ciclo de alfabetização.

§ 1º O valor relativo à ação “Formação de Alfabetizadores” será transferido em parcela única, e o da ação “Alfabetização de Jovens e Adultos”, em 05 (cinco) parcelas.

§ 2º A primeira parcela corresponderá ao valor total da ação “Formação de Alfabetizadores”, acrescida do valor correspondente à primeira parcela do montante destinado a ação “Alfabetização de Jovens e Adultos”.

Art. 8º O valor transferido para a ação “Formação de Alfabetizadores”, nos termos do inciso I, do art. 7º, deverá ser utilizado nas seguintes despesas decorrentes do processo de formação:

  1. hospedagem;
  2. alimentação e transporte do alfabetizador e/ou do instrutor;
  3. remuneração do instrutor; e
  4. material de consumo e material instrucional a ser utilizado na formação.

Art. 9º O valor transferido para a ação de “Alfabetização de Jovens e Adultos”, nos termos do inciso II do art. 7º, será utilizado, exclusivamente, em forma de bolsas para os alfabetizadores.

Art. 10. O início da transferência dos recursos a que se refere o art. 7o desta Resolução fica condicionado à apresentação, por parte do OEx, do Cadastro Inicial de Alfabetizandos e Alfabetizadores previsto no art. 18.

Art. 11. As transferências dos recursos financeiros serão suspensas quando os OEx:

  1. utilizarem os recursos em desacordo com as normas estabelecidas para execução do Programa;
  2. apresentarem a prestação de contas em desacordo com a forma e prazo estabelecidos; e,
  3. apresentarem irregularidades nos cadastros a que se refere o art. 18.

Art. 12. Sanadas as irregularidades, será restabelecida a participação do OEx no Programa, sendo que os recursos financeiros serão creditados à conta do OEx, restringindose, apenas, aos valores não repassados no exercício em que se deram as ocorrências.

Art. 13. Quando os recursos forem aplicados em desacordo com os art. 8º e 9º, o OEx deverá restituí-los ao FNDE, por meio de depósito na conta n.º 170500-8, Banco do Brasil, Agência do Ministério da Fazenda, código 4201-3, indicando no campo favorecido do formulário: “FNDE – 15317315253040-6”, e no campo do segundo código identificador, a inscrição no CNPJ/MF correspondente ao depositante.

Art. 14. Ao FNDE é facultado rever, independentemente de autorização dos OEx, os valores liberados indevidamente, procedendo à correção da seguinte forma:

  1. durante o período de vigência do programa, os valores serão descontados dos próximos repasses de recursos;
  2. no final da vigência do programa, o OEx deverá efetuar a devolução destes valores, na forma descrita no artigo 13; ou
  3. mediante estorno solicitado pelo FNDE diretamente ao Agente Financeiro depositário dos valores do Programa.

Art. 15. O FNDE divulgará a transferência dos recursos financeiros, destinados ao programa, na Internet (www.fnde.gov.br) e enviará correspondência para:

  1. Assembléia Legislativa, em caso de estado;
  2. Câmara Legislativa, no caso do Distrito Federal;
  3. Câmara Municipal, em caso de município; e,
  4. Comissão Nacional de Alfabetização.

Art. 16. Os valores financeiros transferidos, na forma prevista no art. 7º desta Resolução, não poderão ser considerados, pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios beneficiados, no cômputo dos vinte e cinco por cento de impostos e transferências devidos à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, por força do disposto no art. 212 da Constituição Federal.

IV - DO CADASTRO E DO ACOMPANHAMENTO

Art. 17. Os OEx deverão apresentar as informações referentes às ações, nos moldes do anexo I desta Resolução, observando aos seguintes parâmetros:

  1. as turmas de alfabetização de jovens e adultos deverão comportar no máximo 25 alunos por sala de aula;
  2. a ação deverá apresentar carga horária da alfabetização entre 240 horas/aula e 320 horas/aula, equivalente ao período de 6 a 8 meses de duração;
  3. a carga horária semanal mínima da alfabetização deverá ser de 10 horas, exceto para as ações que atendam turmas localizadas em áreas de difícil acesso, com a devida justificativa pedagógica;
  4. a formação inicial dos alfabetizadores será de, no mínimo, 30 horas; e,
  5. a formação contínua dos alfabetizadores será de, no mínimo, 2 horas/aula, semanal, presencial e coletiva, podendo apresentar distribuição diferenciada de carga horária, desde que não acarrete prejuízo ao processo de alfabetização, com a devida justificativa pedagógica.

Art. 18. Após divulgação, pela SEEA/MEC, ou pela Secretaria que a suceder, da relação dos OEx beneficiários, os mesmos terão 30 dias para apresentar o Cadastro Inicial dos Alfabetizandos e Alfabetizadores – Anexo III.

§ 1º Os OEx deverão encaminhar a SEEA/MEC, ou à Secretaria que a suceder, por meio eletrônico, via sistema SBA (Sistema Brasil Alfabetizado) os Cadastros Iniciais e Finais de Alfabetizandos, Alfabetizadores e Turmas, observada a especificação do Anexo III.

§ 2º As substituições de alfabetizandos e alfabetizadores poderão ocorrer desde que justificadas e registradas no controle de freqüência e comprovadas pelo Cadastro Final na prestação de contas.

Art. 19. O acompanhamento da transferência e a fiscalização da aplicação dos recursos do Programa se darão nos moldes da Medida Provisória nº 173, de 2004, pela Comissão Nacional de Alfabetização, e pelo FNDE de acordo com os termos desta Resolução.

Art. 20. O OEx elaborará e encaminhará, em até 60 dias após o término da execução das ações, Relatório Sintético de Execução das Ações à SEEA/MEC, ou à Secretaria que a suceder, que emitirá parecer técnico acerca da execução do Programa, o qual deverá ser encaminhado ao FNDE.

Art. 21. A fiscalização da aplicação dos recursos financeiros, relativos ao Programa, é de competência do FNDE, do MEC e do Tribunal de Contas da União-TCU, mediante a realização de auditorias, de inspeção e de análise dos processos que originarem as prestações de contas.

§ 1º O FNDE e o MEC realizarão, nos OEx, auditagem da aplicação dos recursos financeiros do Programa, por sistema de amostragem, podendo requisitar documentos e outros elementos que julgarem necessários, bem assim realizar fiscalização in loco ou, ainda, delegar competência a outro órgão ou entidade estatal para fazê-lo.

§ 2º A fiscalização pelo FNDE, pelo MEC e pelo Órgão de Controle Interno do Poder Executivo Federal será deflagrada, isoladamente ou em conjunto, sempre que for apresentada denúncia formal de irregularidades no uso dos recursos públicos à conta do Programa.

Art. 22. Os documentos comprobatórios das despesas efetuadas na execução do Programa deverão ser arquivados no OEx, pelo prazo de 05 (cinco) anos, contado da data da aprovação da prestação de contas do FNDE pelo TCU, ficando à disposição deste, do FNDE, do MEC e do Sistema de Controle Interno do Executivo.

Parágrafo único. O OEx deverá, ainda, manter sob sua guarda as planilhas de controle de freqüência de alunos, os relatórios da formação inicial e contínua e a produção escrita para avaliação do desempenho dos alunos, arquivados pelo mesmo prazo previsto no caput deste artigo.

Art. 23. As turmas comuns de alfabetização que promoverem a inclusão escolar e social de jovens e adultos com deficiência visual ou auditiva respeitarão a quantidade total de 10 alunos por turma, sendo, no máximo, 3 alunos com deficiência, quando demandarem linguagens e códigos específicos.

§ 1º Nos casos que envolvam alunos com necessidades educativas especiais, associadas a uma deficiência, o OEx poderá prorrogar o prazo de execução da ação, atendendo ao princípio de flexibilidade do tempo necessário para a aprendizagem.

§ 2º As turmas referidas no caput deste artigo deverão contar com as seguintes características e facilidades, sob a responsabilidade dos estados, Distrito Federal e municípios:

  1. apoio dos serviços de educação especial para a orientação no processo de ensino-aprendizagem;
  2. aquisição de material didático em Braille e recursos didáticos para a produção em Braille orientada à alfabetização de deficientes visuais;
  3. aquisição de material didático ampliado para visão reduzida; e
  4. apoio à aquisição de material didático que inclua a Linguagem Brasileira de Sinais, Dicionário Libras/Língua Portuguesa.

V - DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PROGRAMA

Art. 24. O OEx elaborará e remeterá, ao FNDE, a prestação de contas dos recursos financeiros recebidos à conta do Programa, em até 60 dias após o término da execução das ações, que será constituída de Demonstrativo da Execução da Receita e da Despesa e de Pagamentos Efetuados – Anexo IV, desta Resolução, e do extrato bancário da conta específica do Programa.

§ 1º Na hipótese de não apresentação ou de qualquer irregularidade na prestação de contas, o FNDE solicitará ao OEx esclarecimentos e, se for o caso, a regularização da situação.

§ 2º O FNDE, após análise da prestação de contas, adotará os seguintes procedimentos:

  1. na hipótese de não detectar irregularidades aprovará a prestação de contas; e,
  2. na hipótese de detectada alguma irregularidade, notificará o OEx para, no prazo de até 30 (trinta) dias, contados da data do recebimento da notificação, apresentar recurso ao FNDE, sob pena de suspensão de novos repasses financeiros à conta do Programa.

§ 3º Caso seja provido o recurso, a que se refere o inciso II do § 2º deste artigo, a prestação de contas será considerada aprovada pelo FNDE, que comunicará a decisão ao
à OEx recorrente.

§ 4º Caso não seja provido o recurso, a que se refere o inciso II do § 2º deste artigo, a prestação de contas do OEx não será aprovada pelo FNDE, que providenciará, de imediato, a suspensão de novos repasses financeiros à conta do Programa.

§ 5º Na hipótese de indeferimento do recurso, o OEx, mediante notificação do FNDE, terá 45 dias para restituir os valores impugnados na prestação de contas, sob pena de instauração de Tomada de Contas Especial – TCE.

VI – DA DENÚNCIA

Art. 25. Qualquer pessoa, física ou jurídica, poderá denunciar ao FNDE, ao TCU, aos órgãos do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo da União, ao Ministério Público e à Comissão Nacional de Alfabetização, as irregularidades identificadas na aplicação dos recursos do Programa, por meio de expediente formal contendo necessariamente:

  1. exposição sumária do ato ou fato censurável, que possibilite sua perfeita determinação; e,
  2. identificação do órgão da Administração Pública e do responsável por sua prática, bem assim a data do ocorrido.

§ 1º Quando a denúncia for apresentada por pessoa física, deverão ser fornecidos o nome legível, o endereço e cópia autenticada de documento que ateste a sua identificação.

§ 2º Quando o denunciante for pessoa jurídica (partido político, associação civil, entidade sindical etc), deverá encaminhar cópia de documento que ateste sua constituição jurídica e fornecer, além dos elementos referidos no §1º deste artigo, o endereço da sede da representante.

Art. 26. As denúncias encaminhadas ao FNDE deverão ser dirigidas a Coordenação Geral de Programas de Transporte, Saúde, EJA e Uniforme Escolar, da Diretoria de Programas e Projetos Educacionais - DIRPE, no seguinte endereço:

  1. se via postal, Setor Bancário Sul – Quadra 02 – Bloco F- Edifício Áurea – Sobreloja , Sala 07, Brasília – DF , CEP: 70.070-929; e
  2. se via eletrônica, Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

VIII - DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 27. Os OEx deverão fazer constar, em todos os documentos produzidos para implementação do projeto, e nos materiais de divulgação, o nome do projeto do Ministério da Educação e FNDE para a superação do analfabetismo: Programa Brasil Alfabetizado – Ministério da Educação/FNDE.

Art. 28. Eventuais dúvidas poderão ser esclarecidas por intermédio do número do telefone 0800616161, ligação gratuita, ou, pelo site do MEC no seguinte endereço: www.mec.gov.br - Programa Brasil Alfabetizado.

Art. 29. Aos OEx do Programa Brasil Alfabetizado compete estabelecer as condições junto aos órgãos competentes locais para possibilitar o acesso dos alfabetizandos à documentação civil básica (Registro Civil, Identidade, CPF e Título de Eleitor), bem assim a troca da Carteira de Identidade dos Alfabetizados.

Art. 30. Observado o disposto no art. 5º desta Resolução e as normas aplicáveis às transferências entre entes públicos, em caso de desmembramento de municípios, o município de origem criará mecanismos de repasse e controle da pertinente cota de recursos ao município novo, permanecendo responsável pela prestação de contas dos recursos.

Art. 31. Os estados, o Distrito Federal e os municípios deverão encaminhar as informações, na forma definida nos anexos I e II, à SEEA/MEC, ou à Secretaria que a suceder, no seguinte endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco L, 7º andar, Sala 709 – Brasília – DF – CEP 70047-900.

Art. 32. Ficam aprovados os formulários que constituem os Anexos I a IV desta Resolução, disponibilizados no site da Internet: www.fnde.gov.br.

Art. 33. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

TARSO GENRO


 

ANEXO I

IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE

1- Entidade:

2- CNPJ:

3- Endereço:

4- Município

5- UF:

6- CEP:

7- DDD/Telefone:

8- Fax:

9- E-mail:


10- Banco do Brasil S/A

11- Agência:

12- Conta Corrente: a ser indicada pelo FNDE

13- Praça de Pagamento:

14- Esfera Administrativa

(  ) Município

(  ) Estado

(  ) Distrito Federal


IDENTIFICAÇÃO DO DIRIGENTE

15- Nome:

16- CPF:

17- CI/Órgão Expedidor

18-  Cargo:

19- Função:

20- Matrícula:


IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO-PEDAGÓGICO

21- Nome:

22- CPF

23- CI/Órgão Expedidor

24- Endereço:

25- Município:

26- UF

27- Formação Acadêmica:

28- CEP

29- DDD/Fax:

30- DDD/Telefone Celular:


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

 

 

____________________________________

Local, UF e Data

 

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal


Entidade:                      CNPJ:

Município:                      UF:                        Ano de Execução: 2004


33- Justificativa:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

 

____________________________________

Local, UF e Data

 

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal


FORMAÇÃO DE ALFABETIZADORES

Entidade:                      CNPJ:

Município:                      UF:                        Ano de Execução: 2004


36- Quantidade de Alfabetizadores:

Zona Rual (  )

Zona Urbana (  )

Total (   )

Discriminar a quatidade de alfabetizadores por Município

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

____________________________________

Local, UF e Data

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal



ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Entidade:                      CNPJ:

Município:                      UF:                        Ano de Execução: 2004


36- Quantidade de Alfabetizadores:

Zona Rual (  )

Zona Urbana (  )

Total (   )

Discriminar a quatidade de alfabetizadores por Município

 

 

 

 

 

 

 

 

 


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

____________________________________

Local, UF e Data

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal


FORMAÇÃO DE ALFABETIZADORES

Entidade:                      CNPJ:

Município:                      UF:                        Ano de Execução: 2004


36- Quantidade de Alfabetizadores:

Zona Rual (  )

Zona Urbana (  )

Total (   )

Discriminar a quatidade de alfabetizadores por Município


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

____________________________________

Local, UF e Data

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal


 

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Entidade:                      CNPJ:

Município:                      UF:                        Ano de Execução: 2004


36- Quantidade de Alfabetizadores:

Zona Rual (  )

Zona Urbana (  )

Total (   )

Discriminar a quatidade de alfabetizadores por Município


31- Autenticação:

32- Nome do Dirigente ou Representante Legal:

(  ) Dirigente

(  ) Representante Legal

____________________________________

Local, UF e Data

____________________________________

Assinatura do(a) Dirigente ou Representante Legal

 


ANEXO II

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS

  O MEC, por intermédio do FNDE, concederá assistência financeira para ações de alfabetização de jovens e adultos e formação de alfabetizadores a Estados, Distrito federal e Municípios, no sentido de possibilitar a inclusão social e combater as desigualdades educacionais, buscando formas de ampliar o acesso e a continuidade da escolarização em todos os níveis para milhões de brasileiros com mais de 15 anos que não tiveram, na idade adequada, acesso à escola.

1 - FORMAÇÃO DE ALFABETIZADORES

 A formação inicial do alfabetizador deve necessariamente basear-se em processo dialógico, promover a reflexão sobre o contexto histórico e conter conhecimentos sobre as funções da linguagem, interpretação e produção dos diferentes tipos de textos e conhecimentos matemáticos referenciados no cotidiano dos alfabetizandos.

 Sugerem-se os seguintes conteúdos:

· História da educação de jovens e adultos;

· Concepções dos processos de alfabetização;

· Relações entre homem/natureza/cultura;

· Construção da língua escrita e oral;

· Função social da leitura e da escrita;

· Processo de registro e avaliação da aprendizagem.

 Ainda durante a formação inicial, os alfabetizadores deverão ser capacitados para que, no decorrer do processo de alfabetização, possam atuar como agentes de mobilização, identificando os alunos e familiares sem documentação civil básica (Registro Civil, Carteira de Identidade, CPF, Título de Eleitor) e prestando orientações sobre os procedimentos para obtê-los.

 A formação continuada dos alfabetizadores deverá ser presencial e coletiva, de, no mínimo, duas horas semanais. Em caso excepcional poderá ser realizada quinzenalmente, com carga horária dobrada.

 Os alfabetizadores deverão ser orientados para que informem e encaminhem os alunos alfabetizados para cursos de Educação de Jovens e Adultos, conforme oferta disponível na rede de ensino da localidade.

 Todo o processo deve ser registrado e arquivado, sob as formas disponíveis: relatos escritos, fotografias, gravações etc. Deverá ser elaborado um relatório da formação inicial e, mensalmente, um relatório da formação contínua, registrando os aspectos pedagógicos do processo de formação dos alfabetizadores. Esses relatórios deverão ser arquivados, podendo ser solicitado a qualquer tempo pelas auditagens do MEC.

 2 - ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

 A metodologia utilizada deve garantir a efetiva alfabetização, possibilitando ampliar as práticas de leitura e escrita e o universo lingüístico dos alfabetizandos, bem como seu domínio em relação aos conhecimentos matemáticos: leitura e escrita de números (preços, datas, horários, medidas), e a utilização das operações matemáticas em seu cotidiano (pagamento, cálculo de troco, salário, parcelamento).

 Faz-se necessário que, antes de iniciar sua intervenção, o alfabetizador conheça o grupo com o qual irá trabalhar. Para tanto, deve ter contato com o cadastro dos alunos e realizar diagnóstico inicial para subsidiar o planejamento das atividades, no sentido de tornar o processo de alfabetização participativo e democrático. O alfabetizador deve respeitar o conhecimento e a experiência de vida dos alfabetizandos, valorizar sua linguagem como ponto de partida e evitar a infantilização ou criação de linguagem artificial.

 O planejamento deve considerar a aprendizagem dinâmica da linguagem verbal para que este processo inicial de alfabetização resulte na utilização da língua em situações variadas e com finalidades diversas. Ao longo do trabalho, o alfabetizador deverá observar a evolução na utilização da linguagem oral pelos alfabetizandos: expõem as idéias com clareza? Em relação à leitura e à escrita: compreendem o significado do texto? redigem textos com finalidades diferentes? Articulam bem suas idéias?

 Na alfabetização inicial a expectativa é:

a) ler, compreender e produzir textos simples, de diferentes tipos e finalidades;

b) utilizar textos com diferentes funções da linguagem (referencial, apelativa, emotiva, poética, metalingüística);

c) participar de debates sobre diferentes assuntos de interesse da comunidade, ampliando sua possibilidade de articulação da língua falada.

 Os materiais didáticos devem ser utilizados como apoio textual (livros, revistas, apostilas, jornais, bulas de remédios, recibos, cupons, contas, filmes, sites, músicas, desenhos). Já os recursos didáticos devem ser utilizados para dar suporte técnico ao alfabetizador (caderno, lápis, giz, cartolina, papel e materiais permanentes - computador, televisor, vídeo, retroprojetor, slides, rádio).

 É importante que a alfabetização promova a interlocução por textos e não se limite à silabação. Além de valorizar informações úteis e pertinentes para os dias atuais, os conteúdos deverão ser trabalhados de forma contextualizada, interdisciplinar, a fim de que os alfabetizandos fortaleçam sua cidadania e condição de sujeito atuante na sociedade.

 O plano de ação deve explicitar de que maneira será avaliado o cumprimento dos objetivos almejados pelo programa, bem como apontar modos e instrumentos para comparação entre o número de matriculados e o de alfabetizados ao final da ação.

 É necessário o registro, pelo alfabetizador, do desenvolvimento da aprendizagem por meio de relatos de acompanhamento individual e produções dos alfabetizandos, a fim de redimensionar as ações de intervenção, devendo arquivar, na entidade, mensalmente, pelo menos uma produção escrita de cada uma de seus alfabetizandos.

 Junto aos Cadastros Finais de alfabetizandos, definidos nesta Resolução, a entidade deverá apresentar ao MEC relatório com os nomes e números de identificação cadastral dos alunos não alfabetizados, relatando as dificuldades do processo de ensino-aprendizagem. Este relatório é condição para o eventual recadastramento desses alunos em novas turmas do Programa Brasil Alfabetizado.

 Na zona rural, as turmas poderão comportar um mínimo de 5 alunos e, na zona urbana, no mínimo, 15 alunos, exceto nos casos previstos nesta Resolução.

 3 - CONSIDERAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DOS PROJETOS

 Durante a análise das propostas pelo MEC, serão relevantes os seguintes critérios:

· coerência com as normas contidas nesta Resolução.

· clareza e consistência da argumentação apresentada na justificativa.

· viabilidade de execução;

· coerência e compatibilidade dos dados informados com as fontes disponíveis para comparação pelo MEC (valores praticados, dados censitários);

· explicitação de um plano de acompanhamento e de avaliação de resultados.


ANEXO III

Seq

Coluna

Tipo de Dados

Tamanho (dígitos)

Observação

Obriga-tório

1

Código

Numérico

Min 1,

Max. 8

Número Sequencial de identificação do Alfabetizador, não nulo

Sim

2

Cód. Projeto

Numérico

1

Preencher com o número 1 (um)

Sim

3

Nome

Alfanumérico

Max. 65

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Sim

4

Nº CPF

Alfanumérico

11

Sem máscara – Não obrigatório

Não

5

Doc. Identidade

Alfanumérico

Max. 30

Permitido somente os caracteres:

“0” a “9”,

“A” a “Z”,

“.”, ”/” e ”-“

Sim

6

Sexo

Alfanumérico

1

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

F (feminino) ou M (masculino)

Sim

7

Data Nascimento

Data

10

- Obrigatoriamente no formato dd/mm/aaaa (dia / mês / ano)

- Idade mínima do alfabetizador de 16 anos em 2003

Sim

8

Nome do Pai

Alfanumérico

Max. 65

Quando preenchido:

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Não

9

Nome da Mãe

Alfanumérico

Max. 65

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Sim

10

Endereço Residencial

Alfanumérico

Max. 100

Logradouro, Bairro, nº etc.

Sim

 

 


 

Cadastro de ALFABETIZADOR - Continuação

Seq

Coluna

Tipo de Dados

Tamanho (dígitos)

Observação

Obriga-tório

11

Código Município Residencial

Alfanumérico

15

De acordo com tabela de municípios IBGE fornecida em meio magnético pelo MEC

Sim

12

Sigla da Unidade Federativa (UF) residencial

Alfanumérico

2

 

Sim

13

CEP Residencial

Alfanumérico

10

Com máscara, no formato 99.999-999

Sim

14

Código Escolaridade

Alfanumérico

2

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

02 - ANTIGO PRIMÁRIO
03 - ANTIGO GINÁSIO
04 - ANTIGO CLÁSSICO, CIENTÍFICO, ETC
05 - ENSINO FUNDAMENTAL OU 1º GRAU
06 - ENSINO MÉDIO OU 2º GRAU
07 - SUPERIOR – GRADUAÇÃO
08 - MESTRADO OU DOUTORADO

Sim

15

Código da Profissão

Numérico

Max 2

De acordo com a tabela de Profissões fornecida em meio magnético pelo MEC,

Em que a coluna ST_UTILIZADO_ALFABETIZADOR seja igual a SIM

Sim

16

Descrição da Profissão

Alfanumérico

Max. 50

Coluna de Preenchimento obrigatório, quando o Código da Profissão for igual a 99 (Outra)

Não/ Sim Ver OBS.

17

Sigla da Unidade Federativa (UF) de atuação

Alfanumérico

2

 

Sim

18

Código Município de atuação

Alfanumérico

15

De acordo com tabela de municípios IBGE fornecida em meio magnético pelo MEC

Sim

19

Atua Zona Rural

Alfanumérico

1

Preencher com S (Sim) ou N (Não)

Sim

20

Atua Zona Urbana

Alfanumérico

1

Preencher com S (Sim) ou N (Não)

Sim

 Itens que compõe o Cadastro de Alfabetizandos

Seq

Coluna

Tipo de Dados

Tamanho (dígitos)

Observação

Obriga-tório

1

Código

Numérico

Max. 6

Número Seqüencial de identificação do Alfabetizando, não nulo

Sim

2

Cód. Projeto

Numérico

1

Preencher com o número 1 (um)

Sim

3

Nome

Alfanumérico

Max. 65

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Sim

4

Sexo

Alfanumérico

1

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

F (feminino) ou M (masculino)

Sim

5

Raça/Cor

Numérico

Max. 1

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

1 – BRANCA
2 – PRETA
3 – AMARELA
4 – PARDA
5 – INDÍGENA

Sim

6

Código do Tipo do Documento

Numérico

Max. 3

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

5   - CARTEIRA DE IDENTIDADE
10 - CARTEIRA DE TRABALHO
15 - CERTIDÃO DE NASCIMENTO
20 - CERTIFICADO DE RESERVISTA
25 – CPF
30 - TÍTULO ELEITORAL
99 – OUTRO
100 - NÃO INFORMADO

Não

7

Número do Documento

Alfanumérico

Max. 50

Número do documento de acordo com o código do tipo de documento informado no item precedente (Seq. 6).
Preenchimento obrigatório quando o Código do Tipo do Documento (Seq. 6) for informado e for diferente de 100 (NÃO INFORMADO)

Não/Sim Veja OBS.

8

Data Nascimento

Data

10

- Obrigatoriamente no formato dd/mm/aaaa (dia / mês / ano)

- Idade mínima do alfabetizando é de 15 anos em 2003

Sim

9

Nome da Mãe

Alfanumérico

Max. 65

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Sim

 

Layout do Cadastro de ALFABETIZANDO - continuação

Seq

Coluna

Tipo de Dados

Tamanho (dígitos)

Observação

Obrigatório

10

Nome do Pai

Alfanumérico

Max. 65

Quando informado:

- Somente serão permitidos caracteres alfabéticos (maiúsculos) de “A” a “Z”, acentuados ou não, e apóstrofe (‘)
- Não serão permitidos caracteres consecutivos repetidos por mais de 2 vezes

- Não será permitido mais de um caractere “espaço” entre os nomes

- Obrigatório informar o SOBRENOME

Não

11

Código da Profissão

Numérico

Max 2

De acordo com a tabela de Profissões fornecida em meio magnético pelo MEC,

Em que a coluna ST_UTILIZADO_ALUNO seja igual a SIM

Sim

12

Descrição da Profissão

Alfanumérico

Max. 50

Coluna de Preenchimento obrigatório, quando o Código da Profissão informado no item precedente (Seq. 11) for igual a 99 (Outras)

Não/Sim Ver Obs.

13

Sigla da Unidade Federativa (UF) de naturalidade

Alfanumérico

2

 

Sim

14

Código Município de naturalidade

Alfanumérico

15

De acordo com tabela de municípios IBGE fornecida em meio magnético pelo MEC

Sim

15

Sigla da Unidade Federativa (UF) de residência

Alfanumérico

2

 

Sim

16

Código Município de residência

Alfanumérico

15

De acordo com tabela de municípios IBGE fornecida em meio magnético pelo MEC

Sim

17

Zona de residência

Alfanumérico

1

Preencher com R (Rural) ou U (Urbana)

Sim

18

Endereço residência

Alfanumérico

Max. 100

Logradouro, Bairro, nº etc.

Não

19

CEP residência

Alfanumérico

10

Com máscara, no formato 99.999-999

Não

20

Freqüentou Escola

Alfanumérico

1

Preencher com S (Sim) ou N (Não)

Sim

21

Caso tenha frequentado escola, qual o tempo de freqüência em anos?

Numérico

2

Verificar Comentário no final da tabela.

Não/Sim*

22

Caso tenha frequentado escola, qual o tempo de freqüência em meses?

Numérico

2

Verificar Comentário no final da tabela.

Não/Sim*

23

Código da Turma na qual o alfabetizando está alocado

Numérico

Max. 6

Número Seqüencial de identificação da Turma, previamente informado no cadastro de Turmas.

Sim

 Itens que compõem o Cadastro de Turmas

 

Seq

Coluna

Tipo de Dados

Tamanho (dígitos)

Observação

Obriga-tório

1

Código

Numérico

Max. 6

Número Seqüencial de identificação da Turma, não nulo

Sim

2

Cód. Projeto

Numérico

1

Preencher com o número 1 (um)

Sim

3

Descrição da Turma

Alfanumérico

Max. 60

 

Sim

4

Sigla da Unidade Federativa (UF) da Turma

Alfanumérico

2

 

Sim

5

Código Município

Alfanumérico

15

De acordo com tabela de municípios IBGE fornecida em meio magnético pelo MEC

Sim

6

Endereço

Alfanumérico

Max. 100

Logradouro, Bairro, nº etc.

Sim

7

CEP

Alfanumérico

10

Com máscara, no formato 99.999-999

Sim

8

Zona

Alfanumérico

1

Preencher com R (Rural) ou U (Urbana)

Sim

9

Código do Tipo de Locação

Numérico

Max. 2

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

5 - CASA DO ALFABETIZADOR
10 – ESCOLA
15 – IGREJA
20 - SALÃO PAROQUIAL
25 - SOCIEDADE DE AMIGOS DO BAIRRO
99 - OUTRO

Sim

10

Descrição da Locação

Alfanumérico

Max. 50

Informar a descrição da Locação obrigatoriamente quando o Código do Tipo de Locação for igual a 99 – Outro

Não/Sim Ver OBS.

11

Turno

Alfanumérico

1

Preencher de acordo com os códigos a seguir:

M (Matutino),

V (Vespertino) ou

N (Noturno)

Sim

12

Código do Alfabetizador Responsável

Numérico

Max. 6

Número válido de identificação do Alfabetizador constante do cadastro do alfabetizadores.

Sim

 


ANEXO IV

DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DA RECEITA E DA DESPESA E DE PAGAMENTOS EFETUADOS

BLOCO 1 – IDENTIFICAÇÃO
01 – Nome da Entidade Mantenedora 02 – N.º do CNPJ 03 – Período de Execução 04– Nº Esc. Atend. 05– Nº de Alunos Atend. 06- Exercício
    ____/____/____ a ____/____/____      
07 – Endereço 08 – Município 09 - UF
         
BLOCO 2 – SÍNTESE DA RECEITA E DA DESPESA (R$ 1,00)
10 – Saldo Exerc. Anterior 11 – Valor Rec. no Exercício 12 – Rend. Aplic. Financeira 13 – Devolução 14 – Valor Total 15 – Despesa Realizada 16 – Saldo a ser Reprog.
                 
BLOCO 3 – PAGAMENTOS EFETUADOS
17 - Ítem 18 – Nome do Favorecido e CNPJ ou CPF 19 – Especificação dos Materiais ou Serviços 20 - Documento 21 - Pagamento 22 – Valor
Tipo Número Data Nº Ch Data -R$ 1,00
                    
23 - Total  
BLOCO 3 – AUTENTICAÇÃO

_________________
Local e Data

_____________________________
Nome do(a) Dirigente ou do Representante Legal da PM ou

SEDUC

_____________________________
Assinatura do(a) Dirigente Legal da PM ou SEDUC

Itens relacionados (por marcador)

Fim do conteúdo da página