Imprimir esta página
Livro didático

Dia Mundial do Braille: Material distribuído pelo PNLD promove a inclusão dos estudantes

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Sábado, 04 Janeiro 2020 12:19
Dia Mundial do Braille: Material distribuído pelo PNLD promove a inclusão dos estudantes

Neste sábado, dia 4 de janeiro, é comemorado o Dia Mundial do Braille, sistema de escrita e leitura tátil utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, tem um programa direcionado para promover a inclusão das crianças e jovens cegos, o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD). Por meio dele, estudantes e professores da rede pública de ensino podem receber obras didáticas em braille.

De acordo com a presidente do FNDE, Karine Santos, o material é uma via de acesso educacional e cultural, que permite a inclusão dos estudantes cegos. “O braille é importante para a educação inclusiva na medida em que aproxima alunos , professores, e promove maior independência na escrita e na leitura’’. A presidente destaca, ainda, que pela primeira vez, em 2019, foram distribuídos às escolas livros impressos em braille e tinta, o que permite aos professores, pais e demais estudantes que não dominam o sistema acompanhar a leitura junto com os estudantes cegos.

Até 2018, apenas alguns livros do PNLD tinham a versão em braille e, muitas vezes, o conteúdo era diferente daquele ministrado aos outros alunos. Em 2019, cerca de 3 mil estudantes do 1º ao 5º ano do ensino fundamental das escolas públicas de todo o país foram beneficiados com os livros em braille e tinta. E para 2020 serão distribuídos mais de 10 mil exemplares para estudantes do 5º ao 6º ano do ensino fundamental, beneficiando cerca de 1.700 alunos das escolas que solicitaram a aquisição das obras. Todos as escolas que indicaram a necessidade deste material serão atendidas.

O estudante Luís Eduardo Fonseca Dorneles, de 12 anos, é cego, estuda na rede pública de ensino do Distrito Federal e sabe da importância desses livros. Ele destaca a liberdade que o material pode  trazer para o seu dia a dia. “Os livros em braille dão muita autonomia pra gente, porque a gente não fica dependente de um colega, porque quando o professor passa alguma atividade eu tenho que pedir para algum colega ler para mim para eu fazer. E com os livros em braille isso não vai acontecer, eu vou ter total autonomia’’, disse o estudante.

História do Braille – O dia 4 de janeiro foi escolhido por ser o aniversário do criador do sistema, Louis Braille, que nasceu em 1809 na França. Vítima de um acidente ainda na infância, Braille perdeu a visão e, aos 10 anos, seus pais o matricularam em um instituto de ensino para crianças cegas que usava um método rudimentar e lento, com letras grandes impressas em relevo no papel.