Ir direto para menu de acessibilidade.

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
Programas do livro

Livros em Braille garantem educação de deficientes visuais

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE com informações do Ministério da Educação
  • Sexta, 25 Fevereiro 2005 00:00

ASCOM-FNDE (Brasília) – Até 1999, muitos estudantes brasileiros não tinham acesso a livros didáticos, já que eram raras as obras adaptadas aos portadores de deficiência visual total. Livros didáticos em Braille estavam disponíveis apenas em alguns locais do País, como no Instituto Benjamin Constant (IBC/MEC), no Rio de Janeiro. A partir de então, o Ministério da Educação passou a implementar ações para atender esses alunos.

A experiência começou com a transcrição de vinte títulos de livros didáticos, distribuídos em meio magnético a todos os Centros de Apoio para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual (CAPs) brasileiros. Em 2000, foram entregues 90 títulos de obras de 1ª a 4ª série, beneficiando 543 alunos de 350 escolas públicas.

O grande salto foi dado em 2003, quando a Secretaria de Educação Especial (Seesp/MEC) assinou convênio com a Fundação Dorina Nowill para que a instituição produzisse, junto com o IBC, livros em Braille. Com a medida, foram transcritos 128 títulos e produzidos 6.924 livros de 1ª a 8ª série, elevando o número de beneficiados para 3.717. Além disso, o programa do livro em Braille foi ampliado, com a inclusão de obras para-didáticas da coleção Literatura em Minha Casa, do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), composta por 70 títulos.

Censo escolar – Outro avanço foi o levantamento, pelo censo escolar de 2004, realizado pelo Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC), da localização dos alunos portadores de deficiência visual. "A partir desses dados, poderemos planejar de forma mais eficiente tanto a produção quanto a distribuição dos livros em Braille", afirma Daniel Balaban, diretor de Ações Educacionais do FNDE/MEC, responsável pelos programas do livro.

Os deficientes visuais não foram os únicos portadores de necessidades educacionais especiais beneficiados pelos programas do livro. Em 2004, foi instituído o atendimento aos alunos da educação especial das redes pública e privada definidas pelo censo escolar. Na rede privada, recebem livros os portadores de necessidades educacionais especiais das escolas filantrópicas e comunitárias.


Repórter: Beth Almeida

Fim do conteúdo da página