Ir direto para menu de acessibilidade.

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
2009

Caminho da Escola avalia novos modelos de ônibus

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE com informações do Ministério da Educação
  • Quinta, 07 Mai 2009 00:00

ASCOM-FNDE (Brasília) – Uma pesquisa em 16 municípios de áreas rurais de 14 estados brasileiros percorrerá 23.500 quilômetros para avaliar o desempenho dos novos modelos de ônibus fabricados com financiamento do programa Caminho da Escola, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Realizado em parceria com o Centro de Formação de Recursos Humanos em Transportes da Universidade de Brasília (Ceftru/UnB), o levantamento acontece de 4 de maio a 28 de junho.

“Esse aprimoramento técnico dos veículos faz parte da evolução natural do programa”, afirma o coordenador geral de apoio à manutenção escolar, José Maria Rodrigues, ao comentar sobre os diferenciais de alguns itens da nova frota, como pneus mais adequados a estradas de terra; chassi mais alto e rodas mais próximas da frente e da traseira do veículo, para evitar atolamentos; e equipamentos de acessibilidade com uma cadeira de rodas que poderá ser descida até o nível do solo.

Para analisar a funcionalidade dos novos ônibus, os pesquisadores do FNDE e do Ceftru irão percorrer rotas escolares com os alunos. Entrevistas também serão feitas com gestores de ensino, motoristas e os próprios estudantes para se perceber, in loco, como as alterações são recebidas.

Ampliação
– O Caminho da Escola foi criado em 2007 com o objetivo de renovar a frota de veículos escolares no Brasil, garantindo mais conforto e segurança aos estudantes. O programa consiste na aquisição, por meio de pregão eletrônico para registro de preços realizado pelo FNDE, de veículos padronizados para o transporte escolar. Em 2008, 1.300 municípios aderiram ao programa e compraram 2.487 ônibus – 1.150 por meio do BNDES; 740 via convênios com o FNDE; e 597 com recursos próprios.

Em 2009, deve-se ultrapassar sete mil veículos, num investimento total de R$ 1,15 bilhão: R$ 750 milhões do BNDES; R$ 200 milhões de emendas parlamentares; R$ 100 milhões de recursos dos municípios ou estados e outros R$ 100 milhões com verba do FNDE. Inicialmente, o Fundo dará preferência aos municípios prioritários do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) e que ainda não foram contemplados.

Assessoria de Comunicação

Fim do conteúdo da página