Ir direto para menu de acessibilidade.

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
2008

Crianças fazem horta escolar com canteiros em forma de letras

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Quinta, 23 Outubro 2008 01:00
ASCOM-FNDE(Salvador) - Desfile de moda, música e poesia abriram o encontro Educando com a Horta Escolar, realizado no hotel Mar Azul, no Farol da Barra, em Salvador, na noite de ontem, 22. O evento, que prossegue até o dia 24, mostrará as práticas bem-sucedidas do projeto em escolas da rede pública e as perspectivas para o próximo ano.

Na solenidade de abertura, crianças da Escola Luiz Pereira Costa, de Camaçari (BA), arrancaram risos da platéia ao entoar uma música popular alusiva aos alimentos orgânicos. Na mesma linha, as meninas Lavínia e Fernanda, da Escola Monteiro Lobato, recitaram poesias. Mas o mais surpreendente foi o desfile de roupas feitas com material reciclável recolhido na natureza pelos alunos da Escola Dindinha Jovem, de Carinhanha (BA). Entre os modelos, um belo vestido de noiva todo confeccionado com copinhos descartáveis de café e água, vestidos feitos com garrafas PET, jornal velho, embalagem de café, sacolas plásticas e até vasilhames de água sanitária.

Segundo a diretora Dinélia Pinto Viana, além do trabalho com material reciclado, os 530 estudantes da Escola Dindinha Jovem estão envolvidos com a horta escolar: “A prefeitura disponibilizou um técnico agrícola e entramos com o trabalho e as idéias”. Na horta, os canteiros formam letras e frases. “Cada aluno cuida de uma letra do canteiro de hortaliças. Assim, quem estava com dificuldade para memorizar as letras, facilmente assimilou”, afirmou.

Prazer – Parceria entre o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação no Brasil (FAO), o projeto Educando com a Horta Escolar atua em 14 municípios de Goiás e da Bahia. A partir do plantio de hortas nas escolas, o projeto leva meninos e meninas do ensino fundamental a aprender na prática – e de forma prazerosa – as disciplinas curriculares, além de conscientizá-los sobre a preservação do meio ambiente e ajudá-los a melhorar seus hábitos alimentares.

“As crianças não querem mais saber de bolacha e sucos na hora da refeição, querem alimentos nutritivos, e essa mudança já é resultado da conscientização promovida pelas escolas que implantaram hortas escolares”, afirmou na ocasião o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Daniel Balaban, ao comentar a importância do projeto. Segundo ele, o último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) revelou que existem municípios sem dinheiro e com alto Ideb e municípios ricos com baixo índice. “Isso prova que estratégia e boa vontade mudam a realidade de uma escola”, disse.



Lucy Cardoso
Fim do conteúdo da página