Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Breadcrumbs

Início do conteúdo da página
2007

Governo quer aumentar consumo de pescado na merenda escolar

  • Escrito por  Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Terça, 18 Dezembro 2007 01:00

ASCOM-FNDE (Brasília) – “A oferta de pescados na alimentação escolar de 43 milhões de estudantes das redes públicas de educação representará um grande impulso para o mercado de aqüicultura brasileiro”, afirmou hoje, 18, o diretor de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rafael Torino, na assinatura do termo de cooperação técnica entre o FNDE e a Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República (Seap/PR). O acordo servirá para estudar medidas que propiciem um maior aproveitamento da produção de pescadores e aqüicultores familiares na merenda escolar.

Uma das ações previstas é a capacitação de merendeiras, para que utilizem o produto de forma adequada. Também pescadores e comunidades produtivas passarão por cursos para atender a exigências técnicas e sanitárias previstas na legislação brasileira. Para elaborar o plano de formação e capacitar as primeiras 500 pessoas nos estados de Pernambuco e Sergipe, o FNDE repassou R$ 200 mil ao Centro Colaborador da Alimentação Escolar da Universidade Federal de Pernambuco.

Pesca – Também para viabilizar a venda de pequenos produtores para estados e municípios, será criado nos primeiros dias de 2008 um grupo de trabalho para estudar, entre outras coisas, o processamento dos pescados a serem consumidos por crianças e adolescentes.

Na solenidade, realizada no Palácio do Planalto, foi lançado o estudo Aqüicultura no Brasil – o desafio é crescer , em parceria entre a Seap/PR e a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). O trabalho mapeia o potencial brasileiro para o setor e aponta a aqüicultura como uma das atividades mais promissoras do setor primário da economia, com geração de alimentos, de emprego e de renda. “Só com a solução de determinados gargalos produtivos verificados no estudo podemos gerar algo em torno de dez milhões de empregos”, afirmou o secretário Especial de Aqüicultura e Pesca, Altemir Gregolin.


Assessoria de Comunicação Social do FNDE

Fim do conteúdo da página