Atores, interesses e desafios na formulação do FUNDEB

Palavras-chave: Fundeb, Formulação de Política Pública, Financiamento da Educação Básica

Resumo

Este artigo consolidou a pesquisa de mestrado que teve como objetivo analisar os atores, interesses e desafios na formulação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB). Para analisar o cenário de formulação dessa política de financiamento da educação, adotou-se o método de análise documental. Os resultados da análise mostram que a formulação do FUNDEB teve participação de múltiplos atores e interesses concorrentes. Os desafios mais latentes foram a divergência de interesses e prioridades entre a área econômica e social da União e o tempo do processo de formulação dessa política. O contexto demonstrou amadurecimento na participação democrática na elaboração dessa política pública, elaborada na década de 2000. 

Biografia do Autor

Elizete Tavares de Gonzaga, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Possui graduação em Ciências Contábeis pelo União Educacional de Brasília(2003), especialização em Gestão Pública pela Faculdade Fortium(2008) e mestrado-profissionalizante em Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública - PPGP pela Universidade de Brasília(2017). Atualmente é Especialista em Financiamento Exec. Projetos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Educacional

Mario Lucio de Avila, Universidade de Brasília, UnB, Brasil

Mario Lucio de Avila é professor adjunto em gestão e sustentabilidade da Universidade de Brasília, campus Planaltina-DF. Membro dos Programas de Pós Graduação em Gestão Pública (PPGP-UnB) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural (MADER-UnB) Concluiu o mestrado em Administração Rural na Universidade Federal de Lavras em 2001. Especialista em Informática na Educação e Graduado em Zootecnia pela Universidade Federal de Lavras em 1996. Doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília, realizou estágio doutoral no laboratório Triangle na Escola Normal Superior em Lyon - França. Desenvolve pesquisas com políticas públicas de meio ambiente e agricultura familiar. Participa atualmente de projeto sobre a política de Agroecologia, Cadastro Ambiental Rural, Desenvolvimento Territorial e Assistência técnica para a agricultura familiar e assentamentos de reforma agrária, Monitoramento de Políticas Públicas e Governança Fundiária

Referências

BORGES, V. O. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais do Magistério - FUNDEB: impacto financeiro junto aos governos estaduais e municipais, nos primeiros cincos anos de sua implantação. 2007. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, DF. 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Senado Federal, 2015.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996, p.27833.

______. Decreto nº 2.264, de 27 de junho de 1997. Regulamenta a Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996, no âmbito federal, e determina outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 jun. 1997, p.13660.

______. MEC. Portaria nº 1.345, de 29 de maio de 2003. Criar Grupo de Trabalho para Estudar e Apresentar Proposta de Criação, Regulamentação e Implantação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização do Magistério – FUNDEB, em substituição ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – FUNDEF. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 mai. 2003, p.9.

______. MEC. Manual de Orientação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – FUNDEF. Brasília: 2004, 83 p.

______. Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao Art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc53.htm Acesso em: 02 out. 2016.

______. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 jun. 2007, p.7.

______. Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, regulamenta a Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 nov. 2007, p.18.

CALLEGARI, P. C. FUNDEB financiamento da educação pública no Estado de São Paulo. São Paulo: Editora Ground, 2008.

CASAGRANDE, R; FREITAS FILHO, R. O problema do tempo decisório nas políticas públicas. Revista de Informação Legislativa. Brasília, v. 47 n. 187 jul./set. 2010.

CONSED. Estatuto Social do Conselho Nacional de Secretários de Educação. Reforma estatutária consolidada e aprovada na I Reunião Extraordinária do Fórum de Secretários do CONSED/2015, realizada no dia 11 de fevereiro de 2015, Brasília, DF, 2015.

CURY, C. R. J. A Questão Federativa e a Educação Escolar. In. Romualdo Portela de Oliveira e Wagner Santana (Org.). Educação e federalismo no Brasil: combater as desigualdades, garantir a diversidade. Brasília: UNESCO, 2010.

FRENTE NACIONAL DOS PREFEITOS. Estatuto Social da Frente Nacional de Prefeitos. Brasília: FNP, 2015.

JAMES, S. The Ideas Brokers: the Impact of Think Tanks on British Government. Public Administration, v.71, p.491-506,1993.

HOWLETT, M.; RAMESH, M.; PERL, A. Política Pública: seus ciclos e subsistemas: uma abordagem integral. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

MOREIRA, Sonia Virgínia. Análise documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 269-279.

RUA, M. G.; AGUIAR, A. T. A Política Industrial no Brasil, 1985-1992: políticos, burocratas e interesses organizados no processo de Policy Making. In: FERRAREZI, E.; SARAIVA, E. Políticas Públicas; coletânea. Brasília: ENAP, 2006.

SECCHI, L. Políticas Públicas: Conceitos, Esquemas de Análise, Casos Práticos. 2ª ed. – São Paulo: Cengage Learning, 2014.

WU, X.; RAMESH, M.; HOWLETT, M.; FRITZEN, S. Guia de políticas públicas: gerenciando processos. Traduzido por Ricardo Avelar de Souza. Brasília: Enap, 2014.

Publicado
2020-02-06